Escrita Criativa

Juntamente com a Tecnologia e os Computadores, a Literatura é uma das minhas áreas preferidas. Sou um leitor ávido desde os primeiros anos do Ensino Fundamental e, como todo devorador de livros, escrevo nas horas vagas. Publiquei meu primeiro livro físico - a novela policial "A Flor Negra" - em 2017, empregando meus próprios recursos. Confira meus outros trabalhos.

A Flor Negra

A Flor Negra

Sem qualquer motivo específico, nunca fui muito interessado em romances policiais. Confesso que ainda não li qualquer obra de mestres deste gênero, como Agatha Christie ou Conan Doyle. Acabei lendo – por curiosidade e pela inevitável força da propaganda – “O Código da Vinci”, “Anjos e Demônios” e “A Fortaleza Digital” de Dan Brown. Honestamente falando, ainda prefiro a ficção científica e os épicos, como “O Fim da Eternidade” ou “O Senhor dos Anéis”.

Entretanto, mesmo não sendo um aficionado por este tipo de leitura, acabei escrevendo a novela “A Flor Negra”. O texto conta a história do detetive Ricardo Rodrigues e sua luta pra desvendar um misterioso assassinato ocorrido na pequena cidade de Antunes, em Minas Gerais. A ideia para o enredo deste livro foi do meu irmão, Ricardo Rodrigues(!), que disse a ter concebido após um sonho. Achei que o argumento daria uma boa história e decidi transformá-la numa novela policial com pouco mais de cento e trinta páginas. Os capítulos são divididos por datas, como um diário, para imprimir um ritmo mais dinâmico à narrativa.

A Flor Negra foi meu primeiro livro publicado na forma física, em agosto de 2017. Como a publicação foi bancada integralmente por meus próprios recursos, a tiragem da novela foi bastante reduzida e se encontra esgotada. Todavia, a versão digital do livro pode ser encontrada neste link. Você também pode ler um trecho do livro neste link.


Trilogia Yaron

Yaron - O Cristal

Em fevereiro de 2001, após ter assistido ao filme “O Senhor dos Anéis — A Sociedade do Anel”, decidi ler todos os livros da trilogia. Inspirado pela fantástica obra de Tolkien, decidi escrever minha própria epopéia fantástica.

Resolvi, primeiramente, criar um pequeno planeta para a minha história. Desta maneira, eu ficaria mais livre para nomear cidades, pessoas e lugares, além de não ter de obedecer muito às lógicas de nosso planeta. E Yaron foi uma palavra que simplesmente saltou de minha mente. Não possui nenhum significado. É apenas "Yaron". Assim como todos os nomes das cidades-estados que criei (com exceção de Nemadorag). A grande maioria dos nomes das personagens, com algumas exceções, também foi criada ao acaso, misturando letras. Somente as criaturas fantásticas tiveram uma atenção especial, pois os nomes de todas derivam de termos retirados do latim.

A linha principal da trama, que eu ainda insistia em intitular “O último guerreiro”, era bem simples quando comecei a escrever: asteroides atingem Yaron e alguns guerreiros se aventuram dentro de cavernas povoadas de monstros assustadores para recuperar um poderoso cristal; os guerreiros conseguem obter o que procuravam, mas o líder é morto; a donzela que o amava suicida-se e o mago morre ao fazer a magia que protegeria o planeta. Eu calculava um máximo de cem páginas para contar toda a história.

Entretanto, à medida que eu escrevia, novas ideias surgiam e eu as achava boas demais para ficarem fora do texto. Creio que somente os três primeiros capítulos do livro não sofreram grandes alterações estruturais, enquanto outros novos foram sendo introduzidos. Ao final, eu já possuía material suficiente para criar uma trilogia, formada pelos livros “O Cristal”, “A Rainha do Norte” e “Nemadorag”.

O Cristal ainda não foi publicado livro na forma física, mas pode ser adquirido para leitura no e-reader Kindle ou no aplicativo Kindle For PC através deste link. Você pode ler um trecho do livro neste link.


Palavras

Palavras

Comecei a escrever poemas com o intuito para praticar o que aprendia nas aulas de Inglês, mas acabei gostando do processo de criação e desenvolvimento deste tipo de texto. Desde meados de 2004, tenho escrito diversos poemas – primeiramente na Língua Inglesa e depois traduzidos para o Português – e os postado em meu site Soulwords. Como você notará, prefiro o estilo de poesia livre e sem restrições de forma ou métrica.

Em 2013, reuni cerca de 130 de meus poemas para compor a coletânea que intitulei de "Palavras". Assim como “O Cristal”, ele ainda não foi publicado na forma física, mas pode ser adquirido para leitura no e-reader Kindle ou no aplicativo Kindle For PC através deste link ou na versão em língua inglesa neste link. Você também pode ler um trecho do livro neste link.